WORDPRESS PRA INICIANTES – GUIA COMPLETO INSTALE E COMECE JÁ O SEU BLOG

De todos os CMS existentes hoje não há dúvidas de que o WordPess é o mais usado no mundo, O porquê disso? Você verá agora.

Porém antes de chegar aqui você terá que definir algumas coisas e seguir alguns passos fundamentais para o sucesso de seu site ou blog.

  • Determine um objetivo para o seu blog
  • Planeje a produção do conteúdo
  • Escolha o nome e o domínio do seu blog
  • Escolha um CMS
  • Selecione um fornecedor de hospedagem

Se quer saber mais sobre esses passos confira nosso post COMO CRIAR UM BLOG, caso já tenha definido essas etapas vamos lá…

O que é WordPress?

WordPress é o CMS (Gerenciador de Conteúdo) mais utilizado do mundo na criação de sites devido a ser um sistema completo e excelente para criar sites incríveis e que você mesmo pode gerenciar.

Para quem não sabe o que é WordPress, vai aprender facilmente como funciona nesse artigo para iniciantes. É um CMS ( Gerenciador de Conteúdo ) que te possibilita criar e – principalmente – administrar seu próprio site, ou seja, você mesmo conseguirá publicar conteúdo, alterar o design e fazer as atualizações que forem necessárias.

Sim! O WordPress é gratuito! No entanto, para utilizar o WP na criação do seu site, é necessário contratar uma empresa de hospedagem e registrar um domínio próprio.

Que saber como contratar um domínio e hospedagem perfeitos para seu site WorPress de uma olhada nesse post perfeito pra você.

ESCOLHA O DOMÍNIO PERFEITO E SAIBA ONDE E COMO HOSPEDAR

Instalando WordPress em seu domínio

Domínio comprado, hospedagem contratada é hora de começar.

Em outras palavras de uma maneira geral, a instalação pode ser feita de duas formas: one-click install e instalação manual.

One-click install

Muitos servidores oferecem essa opção. Se você optou por um deles, basta ir no seu painel de controle do host, clicar em “wordpress” e digitar o seu domínio.

Pronto! A interface vai ser um pouco diferente dependendo do servidor, mas veja este vídeo rápido da GoDaddy:

Instalação manual

Portanto  se você não tem a função “one click install” no seu servidor, não se desespere, o WordPress vem empacotado de um jeito muito fácil de instalar.

1. Baixe a última versão do WordPress, clicando aqui. Você vai receber um arquivo zip, e precisa descompactá-lo em uma pasta qualquer do seu computador.

2. Crie um banco de dados para o blog. Se seu servidor usa cPanel,  você pode usar o MySQL Database Wizard. Basta clicar em “create a database”, depois em “create database users” e, por fim, em “add user to database”. Lembre-se de anotar os valores que você preencheu lá para consultar depois.

  • Se você não possui cPanel (que host você contratou???) pode usar o phpMyAdmin ou MySQL Client para fazer isso. Se ainda não possui um serviço de hospedagem procure um que tenha o cpainel

3. Faça o upload dos arquivos. Basta subir os arquivos dentro do “zip” do passo um para o diretório onde seu blog vai funcionar. A maneira mais prática é usando um cliente FTP.

4. Instale o WordPress. Com os arquivos e banco de dados acertados, basta ir ao endereço do install.php. Será algo como “www.seudominio.com.br/wp-admin/install.php”.

5. Pronto! Quando o setup terminar de rodar, você será recebido por uma tela de “bem-vindo”, onde vai preencher o título do blog, usuário, senha e email. Feito isto, você será direcionado ao dashboard.

O que esperar depois da instalação

Independentemente do método de instalação usado, o que você espera ver ao final do processo é a seguinte tela:

Neste post você encontra um guia completo de como utilizar WordPress mas, para que você se habitue com a plataforma, vamos passar pelos pontos principais.

Widgets

Esta área central, cinza, é ocupada por estes caixotes chamados “widgets”. Por padrão você já começa com:

•             Bem-vindo (Welcome): mostra atalhos para algumas ações comuns, como: personalizar seu tema, adicionar páginas e ler tutoriais e guias. Recomendo dar uma mexida nele, sobretudo se é sua primeira vez.

•             Agora (At a glance): é um sumário do conteúdo do seu blog. Você pode clicar em qualquer indicador — posts, páginas, comentários — para ir à área correspondente.

•             Atividade (Activity): mostra suas publicações recentes, assim como as que estão agendadas. O mais útil aqui é o feed de comentários, que já te permite moderar as interações do público diretamente do dashboard.

•             Rascunho rápido (Quick Draft): está com uma ideia fresquinha na cabeça? Anote rapidamente neste widget e salve como rascunho para editar e publicar depois.

•             Novidades do WordPress (WordPress News): é simplesmente o feed de notícias do Blog Oficial do WordPress.

Além disso novos widgets podem ser adicionados por plugins, temas ou mesmo pela personalização do seu webhost., não estranhe se a sua instalação, mesmo novinha em folha, tiver uma ou duas caixas a mais.

Se você não tiver interesse nelas, pode simplesmente clicar em “Opções de tela” (Screen Options) e desativar qualquer um dos widgets, veja só:

Administração (menu esquerdo)

É por meio desses botões que você controla todos os detalhes relacionados ao seu blog.

Vamos dar uma visão geral sobre eles. Acompanhe!

Painel (Dashboard)

Vai para a tela inicial, que descrevemos acima. Tem também um atalho para “Atualizações” (Updates). Nesse menu você pode consultar se há versões novas do seu tema, instalação e plugins.

Posts

Em outras palavras o post é o bloco de construção fundamental em um blog, é por meio deles que você vai compartilhar seu conteúdo. No entanto além de adicionar um novo post ou consultar os existentes, você pode gerenciar também as categorias e tags do seu blog por aqui.

Mídia (Media)

Por exemplo todas as suas imagens, fotos, vídeos e áudios são mídias, por esse menu você pode fazer o upload de arquivos que pretende utilizar nas suas postagens e também conferir a biblioteca com tudo o que você já subiu. Também é possível acessar essas funções direto da tela de edição de post, então, não se preocupe muito nesse momento.

Páginas (Pages)

Não confunda páginas e posts. Páginas são estáticas, não sendo atualizadas constantemente. Páginas de “sobre” e “contato” são bons exemplos. Você pode escolher o nome e a URL de todas as suas páginas por esse menu.

Comentários (Comments)

Portanto por padrão, todo comentário feito em seus posts vai aparecer aqui., aprove as interações relevantes, responda às dúvidas dos seus leitores e busque interações legais. Delete o que for tóxico e marque como SPAM aquelas propagandas ridículas que não tem nada a ver. Don’t feed the trolls!

Aparência (Appearance)

Os menus aqui afetam apenas o visual do seu site, mas não afetam o seu conteúdo. Você pode escolher — e também customizar! — o seu tema por aqui, além de definir o que vai mostrar nos seus menus, widgets, cabeçalho e rodapé da página.

Plugins

Plugins são mini-programas, que rodam por cima do seu WordPress, adicionando funcionalidades. Por aqui você pode buscar por plugins legais, gerenciar os que estão instalados, suas configurações e atualizações. Vamos dar alguns exemplos de plugins legais para usar logo no próximo capítulo.

Usuários (Users)

Por exemplo o seu blog pode ter múltiplos usuários, cada um com papéis e permissões diferentes, cada um terá seu próprio login e senha, e vai ter acesso apenas às funcionalidades relacionadas à sua função! Fantástico, não? Por aqui você pode convidar redatores, editores e até mesmo outros administradores para seu blog.

Ferramentas (Tools)

As funcionalidades aqui são de controle e otimização. Por aqui você pode importar bancos de dados, exportar seu site para migração. Se você não está migrando de outra plataforma, provavelmente não tem muito o que fazer por aqui agora.

Configurações (Settings)

Aqui se faz o ajuste fino de como o seu blog se comporta, tanto para você quanto para o usuário final, dê uma passada por todos os links desse menu, pois é nele que você vai definir seu fuso horário, formato de data e hora, e também o tipo de links permanentes.

No entanto, é possível que sua instalação tenha algum botão não listado aqui, é normal que temas e plugins criem áreas com suas próprias configurações e funcionalidades. Na maioria das vezes, não é nada para se preocupar!

Selecione e instale plugins e ferramentas de apoio

É claro que neste momento você já quer adicionar funcionalidades para o seu blog, certo?

Antes de instalar tudo o que você vê pela frente, um lembrete amigável:

Em outras palavras  quanto mais funções e códigos seu blog tiver, mais tempo ele demora para carregar. Isso prejudica a experiência do usuário e, em consequência, seu rankeamento.

Além disso não existe uma lista absolutamente correta dos melhores ou piores plugins, isso depende muito do seu objetivo com o blog, que vai ditar o que você precisa em um plugin.

Mas, para te ajudar, aqui vai uma lista de essenciais gratuitos.

Google Analyticator

O Google Analytics é uma ferramenta essencial para qualquer pessoa que quer analisar a performance de um site ou blog.

Esse plugin, por sua vez, uma vez integrado com o seu blog, trará para o seu painel de administração métricas importantes sobre a sua performance, como:

•             número de visitas e sessões;

•             taxas de rejeição;

•             duração média de sessão.

Yoast

Independentemente de qual seja o objetivo do seu blog, você vai querer que ele performe bem, certo?

Este é um dos motivos que explica a popularidade do Yoast, que se tornou um plugin quase obrigatório para WordPress, pois auxilia na otimização de páginas para os mecanismos de busca.

Com ele, você não precisa ser um expert em SEO para ter páginas otimizadas.

Rock Convert

O Rock Convert é bastante indicado para quem tem como objetivo com o blog gerar contatos ou oportunidades.

Criado pela equipe da Rock Content, este plugin facilita o gerenciamento de Calls to Action, barras de anúncio e caixas de captura de assinantes.

Com ele, você pode selecionar a posição das caixas de conversão e personalizá-las de acordo com a categoria ou com determinadas páginas do seu blog.

A melhor parte (além de ser gratuito, é claro)?

Ele já integra com ferramentas de automação e gera parâmetros UTM para trackeamento no Google Analytics.

Disqus

O Disqus (lê-se como em “discuss”, de discussão) é uma boa opção de  sistema de comentários. Há quem prefira usar o Facebook, mas o Disqus pode ser uma opção mais interessante pelos seguintes motivos:

  1. não necessariamente um usuário quer revelar seu perfil ao interagir em um comentário. Em alguns nichos, isto é um fator BEM importante;
  2. comments do Disqus podem ter imagens e também são indexáveis, o que pode ajudar no seu SEO;
  3. permite avisar o leitor por email quando você responde a um comentário, o que ajuda a conversa a continuar;
  4. permite logins por redes sociais, mas não obriga a fazer isso.

reCAPTCHA

Esta é uma das maneiras mais fantásticas de proteger seu site contra ataques de força bruta e SPAM.

O reCAPTCHA é uma tecnologia do Google, de uso gratuito, que usa algoritmos sofisticados para saber se a interação vem de um ser humano ou de um robô, e mostra um teste de acordo.

Para os seus usuários regulares, em geral vai ser apenas um botão escrito “eu não sou um robô”.

Você pode implantá-lo na sua tela de login e também proteger seus formulários e até mesmo e-commerce.

Escolha e instale um template

 Você pode sempre começar o seu próprio layout do zero, desenhando o wireframe, fazendo todo o processo de design e programando depois.

Mas isso não é necessário, a não ser que você queira algo realmente único.

Em conclusão, minha recomendação é simples: escolha um tema (theme) legal e vá com ele, apenas adicionando seus toques pessoais, como cores, logos e fontes, existem milhões de templates otimizados para todo tipo de uso, pagos e gratuitos.

Alguns dos melhores lugares para buscar são o Theme Forest, Elegant Themes e a Galeria do WordPress.

O processo de escolha não é muito complicado: seu principal critério aqui é adequação ao uso.

Se você for um fotógrafo, por exemplo, vai querer temas que privilegiem imagens maiores, com poucas postagens por páginas.

Se você pretende atualizar poucas vezes por mês, deve evitar carrosséis que fiquem circulando as novidades.

Portanto se quer um espaço mais autoral, para escrever ensaios e disponibilizar seus contatos, pode optar por um template com uma home page estática.

De novo: adequação ao uso. Faça um shortlist, com os 4 ou 5 que você mais gostou pensando nisso. Daí, para o desempate, considere os seguintes fatores:

  • O template é responsivo (carrega bem em celulares e tablets)? Se não, corte da lista. Já era.
  • Quais são as avaliações dadas por outros usuários? Se avaliações negativas dominarem, corte da lista.
  • Existe suporte à customização ou você vai precisar editar o código “na unha”? Se precisar, corte da lista.

Agora que você deve ter poucas opções, escolha em função do preço, funções adicionais (como suporte à mídias sociais integrado) ou mesmo no uni-duni-tê.

É importante estar satisfeito com o visual do seu blog, claro.

Mas, dado que ele funcione bem e seja adequado ao seu uso, o uso do Tema “A” ou “B” são um fator pouco importante para o seu sucesso quando comparado ao próximo tópico.

Comece a produzir e publicar conteúdo

Você aprendeu, no começo deste post, que conteúdo é o coração do seu blog.

Não há fator que impacte mais na capacidade do seu blog de atrair tráfego que o conteúdo que você publica.

Portanto sem uma estratégia de Marketing de Conteúdo, com textos que capturem a atenção do seu leitor e o mantenham querendo sempre mais, nada vai fazer com que seu blog tenha sucesso.

Vamos dar uma olhada então em como os conteúdos são adicionados ao seu blog:

Publicação de conteúdo

A parte difícil sempre será fazer um conteúdo de qualidade para a sua persona. Mas, com isso resolvido, publicá-lo é relativamente simples.

Ao clicar em “Posts” > “Adicionar post”, você vai ver esta tela:

wordpress

O primeiro campo acima é para colocar o texto do post. Eu sei, escrever um título campeão não é fácil. Tem algumas dicas aqui pra ajudar.

De qualquer maneira, esse é um dos pontos mais importantes do blog post.

Sem um título atraente, as pessoas não clicam no conteúdo, não lêem, você não tem acessos e todo mundo fica triste.

O campo do meio é, obviamente, para o conteúdo principal. As ferramentas de edição ali são muito parecidas com as que você está acostumado em qualquer editor de texto.

Você vai reparar, entretanto, que não há botão para escolher a fonte! Quem decide as suas fontes e tamanhos é o tema, então não se preocupe com isso.

Nesta barra é importante chamar a atenção para um recurso fundamental:

wordpress

Este é o seletor de tipo de texto. Em inglês, os cabeçalhos são chamados headers.

Por que se importar com cabeçalhos?

Os cabeçalhos são marcadores que dizem ao navegador a hierarquia do texto a ser mostrado.

Por exemplo, neste texto que você está lendo neste minuto, usamos H2 (Cabeçalho 2) nas perguntas principais e nos passos numerados.

Nas subetapas, ou itens de lista, usamos o H3 (Cabeçalho 3), que indica a qual H2 os subitens pertencem.

Bem simples!

O pulo do gato é que os buscadores usam esta marcação para saber como o seu texto está estruturado e usam esta informação (entre outras) para definir o ranking de busca.

No entanto na ausência deles, fica parecendo que seu blog é uma grande parede de texto, difícil de ler e consultar.

Uma estrutura que abra os seus tópicos principais em subtópicos relevantes deixa seu texto escaneável e melhora suas chances de subir na página de busca.

Outras otimizações de post

wordpress

Sempre escolha uma imagem de destaque para o seu blog post. Elas são usadas pela maior parte dos temas para construir a miniatura que ilustra o post na landing page.

wordpress

Alguns temas suportam diversos formatos de post, adaptando o layout para dar mais destaque a determinados elementos em cada um deles.

Escolha o formato mais adequado ao seu post e experimente com os diversos formatos para dar variedade ao seu blog.

wordpress

Tags e categorias ajudam o seu conteúdo a ser encontrado. Escolha uma estrutura simples de categorias, com no máximo 4 ou 5 diferentes, usando subcategorias se for necessário.

Para as tags não há a necessidade de hierarquia. Apenas coloque dois ou três termos mais relevantes do post.

Apesar das tags ajudarem o conteúdo a ser encontrado, não recomendamos o seu uso.

Por uma perspectiva de SEO, as tags podem ser prejudiciais, porque atrapalham a arquitetura de informação do blog.

wordpress

Uma dica: se você clicar em “editar” após “publicar imediatamente” você pode agendar o post para ir ao ar em um horário determinado.

Terminou de revisar o post? Agende o lançamento para a próxima manhã, que o post vai sair mesmo enquanto você dorme o sono dos justos.

Dica extra: otimizando sua URL permanente

Você vai notar que ao salvar um rascunho para seu blog post, o WordPress vai sugerir automaticamente uma URL para ele, veja só:

Você consegue dizer o que deveria ser mudado nessa URL de exemplo?

Vou deixar você pensar….

Opa! Isso mesmo! É uma péssima ideia ter este “10 motivos” nela.

Afinal, se eu quiser dar um tapinha no post mais adiante, remover ou adicionar motivos desta lista, a URL vai mudar, e vou perder qualquer posicionamento orgânico que eu tivesse conseguido.

Nesse caso, melhor trocar a URL para “motivos-clicar-post-fantástico”, por exemplo. Ou então utilizar a palavra-chave principal, que já estará no título do conteúdo.

Pense sempre na sua URL antes de fazer sua publicação.

Ela é fácil de ler? Deixa entender o assunto principal do texto? Se não, faça os ajustes. São cinco minutinhos que fazem uma diferença grande no resultado.

Calendário editorial

É muito comum ver blogs nascendo com muito potencial e “morrendo” por falta de engajamento.

A verdade é que manter um blog dá trabalho — vale a pena, mas dá trabalho.

Dessa forma, é fundamental se organizar adequadamente para fazer uma boa gestão do seu blog, e tudo começa com um calendário editorial.

Ele vai ajudar a:

  • organizar todo o ciclo de conteúdo, desde o planejamento à publicação;
  • priorizar os formatos de acordo com tendências, objetivos de negócio e sazonalidades.

O ideal é que ele seja feito em reunião com todos os envolvidos no projeto em uma data fixa, como no final ou começo do mês.

O que pode ajudar é usar ferramentas, como o Google Agenda, para se lembrar de datas-chave. Algumas pessoas (e equipes) preferem imprimir uma versão física de fácil visualização.

Explore diferentes de aquisição de tráfego

Muita gente se decepciona com os resultados alcançados com o blog, pois tinham uma expectativa de que só publicar conteúdo de qualidade colocariam seu portal na primeira página no Google.

Principalmente para quem está começando, é fundamental investir na promoção do seu blog e do conteúdo postado nele em diferentes canais, complementando o orgânico.

Ao contrário do que muitos acreditam, fazer isso é bem simples. Veja, abaixo, algumas sugestões iniciais. 

Redes sociais

Antes de começarmos, uma dica: não saia criando um perfil em todas as redes sociais! Esse é o erro mais comum cometido por empresas.

Gerenciar um perfil social demanda muito tempo e, por isso, você só deve investir naqueles que estiverem em redes que são realmente usadas por sua persona.

Email

Trabalhar o e-mail como canal de aquisição significa trabalhar relacionamento, afinal, se você tem o acesso ao endereço de email de alguém, é porque você tem permissão para conversar com a pessoa, certo?

Dessa forma, o segredo do email marketing é a personalização: você precisa enviar a mensagem certa, do jeito certo, para a pessoa certa. Ah, e na hora certa também.

Além disso pensando no formato mais básico de promoção de conteúdo, você pode começar com uma estratégia de newsletter que permita o compartilhamento de novas postagens com quem se interessou por elas.

Depois, você pode evoluir para estratégias mais complexas de e-mail marketing, como segmentação e nutrição de contatos.

WordPress Instalado artigos prontos para serem publicados….

Agora SE VOCÊ QUER SABER COMO ganhar dinheiro com seu blog ENTÃO CONFIRA ESSES artigos exclusivos.

Guia SEO para iniciantes

Ganhe DINHEIRO COM MARKETING DE AFILIADOS

Share This